Sábado, 18 Nov 2017
   
PDF Imprimir E-mail

Partido Inteiro - Manifesto

( Marco Bauhaus - 01-08-2012)

Esse é o manifesto do Partido Inteiro – aquele que nunca se divide.

Sua essência está na complexa e sensível multiplicação das diferenças, ainda que constantemente reelabore-se no permanente ofício de pensar e produzir sua passagem pelo tempo, sem comprometer sua integridade.

Nossa moral é a condição humana exercida com plena dignidade, protegida de qualquer atrocidade.

Agimos pelo bem comum. Empatia, reciprocidade e crença na ação inteligente informam nossas ações.

Não patrocinamos ou endossamos as misérias espirituais que fomentem o individualismo na sociedade. Todo partidário inteiriço é guardião do exercício diário de proteger a diferença produzindo a igualdade.

O compromisso é com a verdade. Não a que produzimos, mas a que informam as condições de dignidade ou não em que vive a humanidade. Tudo o que o Partido Inteiro faz é mediado ou informado pela reunião das contribuições da filosofia, música, literatura, arte e dos que trabalham na educação e na verdadeira, e descompromissada, caridade – aí estão os porta-vozes da condição humana.

A todos defendemos o direito à dúvida, mas não endossamos meias verdades. Não julgamos ou executamos, mas solicitamos transparência e envolvimento com as práticas que alimentam e reforçam nossa essência, moral e identidade.

Aproximem-se desta causa os que dela querem sair como entraram: módicos de matéria; abundantes de espiritualidade.

Não solicitem favores: O que é de direito, entregue deve ser, e o que é devido, tem que ser cumprido. O que é público não é para caridade privada, nem deve perverter o estatuto da reciprocidade.

Apreciamos idoneidade, criatividade, espontaneidade e proximidade, mas não abusamos da amizade. Os laços que nos unem, e que nos trouxeram até aqui, são uma santidade, e para com eles temos crescente e resoluta responsabilidade.

Estamos nessa por inteiro, jamais pela veleidade das partes. Muitas caíram e ainda cairão pelo caminho, mas jamais ameaçarão nossa integridade. Mudam valores, regras, estruturas ou convenções, mas não o comprometimento com a nossa moral e a verdade: orientados por elas, e para elas, não nos deslumbraremos ou caminharemos pela obscuridade ou seguiremos os falsos atalhos informados pela conveniência da mentira: a condição humana precisa ser inteiramente exercida com plena dignidade.

Para nós, o econômico está imerso no social e no cultural, e isto informa projetos, programas e planos. Focamos o ser cidadão e sua harmonia com o ambiente em que está inserido, não o ser consumidor, co-predador do meio-ambiente. O consumo, enquanto necessário para a subsistência, opera nos planos não prioritários. Dizemos não às euforias e deslumbramentos consumistas; entendemos que o ser humano não pode ser refém do agora, condição esta continuamente imposta pelas pressões comerciais e mercadológicas.

Apoiamos as atividades econômicas, principalmente as que respeitem a integridade humana e ecológica, que incorporam os melhores frutos da inteligência humana, e que estão baseadas no estatuto da sustentabilidade.

Não misturamos nossos compromissos com conveniências ou comodidades. Acreditamos no trabalho que leva ao engrandecimento da humanidade, não no que escraviza ou diminui o indivíduo. Sem um ofício com o qual se identifique, e com o qual possa efetivamente contribuir sem ser diminuído, o ser humano está pela metade. Lutamos pela humanidade inteira.

Não suportamos falsidades, nem aceitamos imoralidades ou amoralidades. Passamos pelos anos defendendo o que torna saudável e imprescindível o viver em comunidade.

Partido inteiro. Partido, porque representa os direitos e deveres de todas as partes. Inteiro, porque nunca se divide.